Do papel para o mundo-Um blog de lifestyle com resenhas de séries, filmes, livros, moda, beleza, comportamento e muito mais

13 de novembro de 2019

Manobras por você

novembro 13, 2019 0
Manobras por você
Poesia Do papel para o mundo
Eu fiz manobras pra tentar te ver 
e te fazer caber dentro de mim
Mas você deu voltas no quarteirão
Só pra fugir

Eu resisti e inconsequente quis ficar
Enlaçada com essa solidão que me amedronta
E que eu tanto faço de casa

Aprendi a nadar no oceano dos seus olhos
Sem boia e de olhos fechados
Me fingi de grande no seu abraço apertado 
Me imprimi no seu mundo 

Vi as estações passarem mais lentas
E senti a angústia se cravar feito tatuagem no peito
Eu morri enquanto achei que vivia
Porque de algum modo a ilusão alivia

Bárbara Amorim

6 de novembro de 2019

O tempo há de me achar

novembro 06, 2019 0
O tempo há de me achar
Do papel para o mundo
A guerra que me move
não me engole
Me atira em braços alheios
mas eu volto pra mim mesma

Sufocada, embriagada
Dançando de bar em bar
Eu aposto a minha sorte
E rasgo as certezas que me prendem

Me atiro no escuro
Me encontro de olhos abertos
Lúcida a admirar o nascer do sol
Me escrevo e me narro

Ferida, esmiuçada
Esganiçada de tanto gritar
Corro pelas ruas em busca de ar
Mas sei que nada me espera
se eu não procurar por mim mesma
O tempo há de me achar

Bárbara Amorim

23 de outubro de 2019

Minha própria mentira

outubro 23, 2019 0
Minha própria mentira
Poesia Minha própria mentira
Sufocada de tanto desdém que abrigo em mim mesma 
Me cerro, me aperto 
Invoco os meus demônios 
E prometo a eles lealdade 

A frieza me congela 
Tento ser casa
Viro apenas um abrigo qualquer 
E nem eu me abrigo mais

Meus lábios inventam um sorriso 
Mas os olhos não escondem a guerra travada no peito 
Desenho forçadamente a farsa que me rodeia

Timidez, solidão, ansiedade, depressão 
Já não sei a matéria que me faz 
Não encaro mais verdades, se eu sou minha própria mentira 

Bárbara Amorim

21 de outubro de 2019

Conselhos para guardar direto da página "Um cartão", no Instagram

outubro 21, 2019 0
Conselhos para guardar direto da página "Um cartão", no Instagram
Página Um cartão no Instagram
Oie! Tudo bem? Espero que sim, de verdade! O post de hoje é sobre uma página bem legal que eu conheci esse ano, chamada "Um cartão". Nas redes sociais (sim, também tem  Facebook e Twitter!) é só procurar por @umcartao. A proposta é expor sentimentos e ideias através de cartões, e eu realmente acho que se você não conhece, precisa conhecer esse perfil pra se inspirar com as mais de 6 mil postagens, que vão desde algo mais reflexivo a frases fofas. 

Calma que não acabou! O sucesso dos cartões com mensagens em estilo cotidiano foi tão grande que virou até um livro! E depois mais um. E depois mais um! Pois é, o prestígio não é pouco! O site do perfil tem todos os livros, além de outros produtos bem legais, como camisas, bolsas e quadros lançados por algumas marcas. Dá uma passadinha lá pra conferir! 
Bárbara Amorim

Agora bora admirar a beleza desses cartões, bora?






E aí, você já conhecia o perfil "Um cartão"?

16 de outubro de 2019

Escorregos, tropeços e recomeços

outubro 16, 2019 0
Escorregos, tropeços e recomeços
Poema sobre recomeços

Às vezes é preciso olhar pra trás
E avistar duas vezes a paisagem
Em busca daquele sentimento, perdido, que antes se encontrava
Não fora, não ao lado, mas dentro de si

Que cor te colore?
Ainda é a mesma que colore os girassóis?
Ou mudou pra uma esquina escura e agora a cor é cinza?

Ainda há poesia nos olhos que te habitam?
Ou foi tudo poluído pelo cansaço?
Que palavras te completam?
Ou é tudo um completo vazio?

Há algo que grita na escuridão
Imperiosa fúria
A vida dança em passos curtos e falsos
A gente escorrega, tropeça e recomeça

Bárbara Amorim

14 de outubro de 2019

Gostinho de casa é um verdadeiro abraço

outubro 14, 2019 0
Gostinho de casa é um verdadeiro abraço
Gostinho de casa é um verdadeiro abraço
Promessas incertas me guardam. E eu, aguardo cansada e esperançosa qualquer ideia de futuro. Talvez seja a ânsia de uma jovem em fim de graduação com boletos pra pagar. O fato é que a ideia de estabilidade, seja ela emocional ou financeira agrada e agrada muito. A gente gosta de se balançar na rede, mas a gente quer ter a rede no nosso quarto, pra poder se balançar no fim do dia

É bom viver intensamente, loucamente, mas é incrível a sensação de passar o dia fora e chegar à noite, abrir a porta de casa e saber que aquele cantinho é todo seu. Ter uma cama macia pra se jogar e assistir Netflix pode ser um encanto. Gostinho de casa é um verdadeiro abraço

É sério, não importa a idade que você tem, vai chegar a hora em que seus sonhos serão mais introspectivos, e de modo algum devemos ver isso como algo negativo. Todo mundo tem sua fase refrigerante, mas um dia a gente só quer o gostinho quente do café. Se agarre aos momentos como quem voa, livremente, de paraquedas, e se por acaso, ser livre pra você é escrever poemas ao acordar ao invés de ir pra praia com os amigos, ame a sua escrita. 

Caminhamos mesmo na incerteza de um futuro, seja ele como for, mas isso não pode nos impedir de viver o presente, e se atentar a ele com olhos perspicazes. A faculdade, por exemplo, vai chegar ao fim, como tudo na vida, mas ela não pode ser um rio em que você só precisa pular, experimente nadar nesse rio. Depois virão inúmeras fases e, talvez, a melhor escolha seja se perceber em cada uma delas.

9 de outubro de 2019

A avenida que a gente desfila

outubro 09, 2019 0
A avenida que a gente desfila
A avenida que a gente desfila
Da porta da minha casa
ouço a rua que me atravessa
Ruidosa e a voz do silêncio
Mil cores e opaca

De fato, guarda segredos
que as 24 horas não revelam
A rua tem mais passos que a nossa mente
mesmo quando vazia, traz histórias de gente

Pode ser triste ou alegre
Uma valsa ou uma dança solitária
Em seu mundo de concreto ou grama verde
A rua abraça e isola

Quem nunca se perdeu no cruzar de uma esquina
não entende seus obstáculos
Tropeços, vozes, apertos de todos os tipos
desenham as curvas da rua

Uma ida ao mercado ou à farmácia
Ao trabalho ou ao shopping
Somos corpos em movimento
E a rua é a avenida que a gente desfila

Bárbara Amorim