Os universos que deixamos de habitar - Do papel para o mundo

17 de outubro de 2017

Os universos que deixamos de habitar


Nós, seres humanos, somos um tanto desleixados. Deixamos para trás coisas e pessoas que talvez nunca devessem ter saído de nossas vidas. Desistimos tão fácil de tudo, quando às vezes só precisamos de um pouco de paciência, e persistência. Esquecemos que por trás dos passos apressados que caminham nas ruas, há um alguém e uma história, e há sentimentos, bons, ruins ou feridos.

Pode ser difícil desvendar um olhar triste no meio da multidão, diante de vozes que não se calam e são como entorpecentes, mas e quanto aos que estão sempre ao nosso lado? Em presença física ou pensamentos. Por que deixamos de enxergar até mesmo os nossos amigos, quando o mais plausível seria compreendermos a sua essência? Ou ao menos, tentarmos. 

Cada ser, singular por suas diferenças deveria tentar exercer diariamente a tarefa do não julgamento, porque julgamos tanto os defeitos dos outros, a todo instante, mas nós também não somos perfeitos, pelo contrário, somos eternos errantes. Se queimaremos no inferno ou em algum universo particular, não é possível saber, pois cada qual tem suas crenças, que funcionam como um motor do que acreditam.

É claro que é mais simples ignorar o mundo à nossa volta, abstrair as frustrações e relevar nossos dilemas. É sempre mais fácil seguir em frente com o caos emergente do que tentar mudar algo que parece imutável, e é sobretudo uma questão de escolha atuar na mudança que queremos, mas nem sempre estamos dispostos, e por vezes, eis a razão de nossas falhas.

Se tratássemos os outros como queremos ser tratados reduziríamos em números o sofrimento que deságua pelos cantos. Se nos importássemos realmente com a vida humana expressaríamos melhor o que sentimos, diríamos mais "obrigado" e "eu te amo". Abraçaríamos mais e tocaríamos além do palpável. Não seríamos indiferente a nenhum tipo de dor e a nenhum silêncio. 

Contudo, não cansamos de negar. Negamos o que sentimos e que alguém ao nosso lado precisa de ajuda, seja pra desabafar ou simplesmente repousar o rosto, porque seu mundo parece pesar. Ampliamos nossos horizontes e postamos nas redes sociais, enquanto alguém agoniza, ou encerra sua própria vida, porque a futilidade e superficialidade com que vivemos mata a todos nós, entretanto, alguns continuam caminhando, enquanto outros deixam de respirar.




Nenhum comentário:

Postar um comentário