Quando o café transborda - Do papel para o mundo

26 de outubro de 2017

Quando o café transborda

Teimamos por amores impossíveis, que vemos nos filmes de mil reviravoltas com final feliz. O sabor do meio amargo nos agrada, o prazer da conquista, o querer sempre mais. Por vezes amamos cegamente, amamos sozinhos, como se fôssemos suficientes para carregar uma relação nas costas. 

Nos enganamos em todas as linhas, pois para um relacionamento prosperar é preciso mais que um coração repleto de amor, é necessário uma vasta entrega, de ambas as partes. Se um põe o café distraído e o outro não observa, a xícara transborda, e o mesmo ocorre com o amor, se uma pessoa se dedica a fazer a relação dar certo e a outra é indiferente, as chances de o café esfriar são grandes.

Além do mais, por que seguir com uma relação que não é totalmente proveitosa? Por que perder tempo com alguém que não se importa? Que não curvará com você a estrada nos dias chuvosos, que se fará presente apenas na época das flores. Por que se restringir a um amor que cerceia sua liberdade de amar? Que não dialoga com os seus sonhos, que não está disposto a enfrentar a escuridão ao seu lado?!

Será que merecemos um conto de fadas improvisado com atores de segunda escala? E o nosso amor próprio, onde fica? Se torturarmos nossa sanidade em busca de um final feliz com apenas um personagem em uma história de amor, claramente estaremos negando a nós mesmos o direito à felicidade em detrimento de algo raso, sem estrutura alguma. 

Enquanto caminhamos acomodados, quase de olhos vendados, a vida passa, as emoções se perdem no vazio estendido, com o tempo acreditamos na plenitude do sentimento, não vemos defeitos no parceiro nem no que nos une. Crer na possibilidade de existir alguém que nos ame como somos e compartilhe o casaco nos dias frios nem passa pela nossa mente. Aos poucos perdemos a essência do amor, abdicamos do melhor pelo mais cômodo, e assim nos privamos de momentos inesquecíveis ao lado de quem poderia nos apresentar todos os dias um final feliz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário