Músicas para refletir a nossa sociedade - Do papel para o mundo

26 de março de 2018

Músicas para refletir a nossa sociedade

Músicas servem não apenas para ouvir e passar o tempo, mas também para refletir questões importantes presentes em nossa sociedade, como a desigualdade social e o machismo. Algumas vezes nem percebemos o quanto tais letras são repletas de valor significativo, o que nos impede de desfrutar conteúdos para além do prazer e relaxamento. Pensando assim, resolvi listar algumas dessas músicas, e espero que elas te motivem a mudar algo.

Pagu (Rita Lee e Zélia Duncan)
Essa é uma música para refletir os esterótipos enraizados em nossa sociedade que resumem, por exemplo, as mulheres em "bundas". Na canção, feita em homenagem à Patrícia Galvão, conhecida pelo pseudônimo Pagu, esses estereótipos são combatidos na letra, que diz: "nem toda feiticeira é corcunda, nem toda brasileira é bunda, meu peito não é de silicone, sou mais macho que muito homem".


Dear MR. presidente (Pink)
Eis um manifesto sobre como nossas autoridades governam, ou deixam de governar para o povo, enaltecendo as diferenças e contribuindo para o aumento da desigualdade social. A letra é bem provocativa: "o que você sente quando vê todas aquelas pessoas sem teto, nas ruas? Para quem você reza à noite antes de ir dormir? O que você sente quando se no espelho? Você está orgulhoso?". Esperamos que não. 

Marielle Franco (MC Carol ft. Heavy Baile)
Uma música forte em todos os sentidos, com uma carga emocional bem intensa. Nela, MC Carol canta e traz verdades sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco, do Psol. "O povo preto tá sangrando todo dia, eu não aguento mais viver oprimida nesse país sem democracia", diz um trecho. 


Que país é esse? (Legião Urbana)
Essa música é um hino atemporal, e infelizmente parece cada vez mais significativa. Cantada por ninguém menos que Renato Russo, ela nos faz questionar, com muito sarcasmo, os rumos do país, e claro, a corrupção presente: "nas favelas, no senado, sujeira pra todo lado, ninguém respeita a Constituição, mas todos acreditam no futuro da nação"


Estereótipo (Rashid)
Você já foi julgado por qualquer elemento superficial que supostamente pudesse te definir? Mais do que isso, você já recebeu determinado tratamento somente por tal especificidade, como uma cor de pele? Se sim, isso se trata de estereótipo, assunto abordado na música de Rashid, que diz: "não existe igualdade pra quem tem que correr atrás de 400 anos de prejuízo", numa notória referência à questão racial. 


Another brick in the wall (Pink Floyd)
Por favor, me diga que você já ouviu esse hino! Essa música nos traz uma reflexão e tanta sobre como a educação é algo gélido e sustentada por normas hierárquicas. Um trecho da letra diz: "não precisamos de controle mental", pois boa parte do que aprendemos na escola (mas também em nossas casas...), é sobre como fazer um prato de feijão e arroz. Isto é, decorar fórmulas, nos enquadrar em regras previamente criadas e obedecer, quando o ideal seria que nos ensinassem a pensar e a elaborar o senso crítico.


Mrs. Potato Head (Melanie Martinez)
"Crianças para sempre, crianças para sempre. Pele macia de bebê se transforma em couro. Não seja dramático, é apenas um pouco de plástico". Esse é apenas um dos muitos trechos para refletir em "Mrs. Potato Head", que faz uma análise sobre como a mídia e a indústria da beleza incentivam nas mulheres o desejo desenfreado por uma estética que seria ideal, muitas vezes sacrificando a sua própria vida. 


Pátria que me pariu (Gabriel o pensador)
Gabriel o pensador é conhecido por suas letras com críticas sociais, e nesta música ele não fez diferente ao abordar a problemática de uma gravidez indesejada e sem estrutura.  A canção é forte e te faz questionar temas como desigualdade social e aborto. "Pátria que me pariu, quem foi a pátria que me pariu?", diz um dos trechos. 


E pra você, qual música te faz refletir a nossa sociedade? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário