A mulher espera - Do papel para o mundo

26 de setembro de 2018

A mulher espera



A mulher espera e enquanto isso batem nela
Espera sentada o ônibus
Mas desiste
É impedida de voltar para casa pela chuva veloz, atroz

A mulher sofre
E não tem nem maquiagem para borrar os olhos
Não teve tempo de se arrumar para si mesma
Com cinco filhos a criar

Também tem um marido
Muito gentil
Muito bondoso
Diz que a ama e não consegue deixá-la

Não consegue deixá-la um dia em paz
Um dia sem manchas nos braços
Um dia sem ofensas
Um dia no aconchego de si mesma

Por conta das dores, internas e externas
Virou telefonista
Atende todas as noites o marido bêbado
Que bebe a esperança da mulher
enquanto ela espera por um gole de liberdade

Bárbara Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário