Músicas de resistência para celebrar o amor e a pluralidade de afetos - Do papel para o mundo

29 de outubro de 2018

Músicas de resistência para celebrar o amor e a pluralidade de afetos

Se os tempos não são dos melhores é preciso resistir. Se uma relação amorosa não vai bem é preciso força para se ver livre de determinadas situações. Se o país não vai bem é essencial uma política de afeto, que englobe todas as cores, gêneros, pesos e corações. Com empatia a vida é celebrada de forma leve e sorridente. Lutamos pela pluralidade de afetos, para que o amor ainda seja a nossa maior bandeira. Hoje resolvi trazer algumas músicas para nos lembrar a importância disso. Espero que goste! 

"Ninguém vai poder, querer nos dizer como amar"


"E ser artista no nosso convívio, pelo inferno e céu de todo dia, pra poesia que a gente não vive, transformar o tédio em melodia"



"Nós nascemos doentes, é o que eles dizem. Minha igreja não oferece absolvições, ela só me diz: louve entre quatro paredes"


"Não tem nada de errado em amar quem você é"


"Como você consegue dormir enquanto o resto de nós chora?"


"É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar pra pensar na verdade não há"


"Mas é preciso ter força, é preciso ter raça, é preciso ter gana sempre, quem traz no corpo a marca, Maria, Maria, mistura a dor e a alegria"


"A paz invadiu o meu coração..., A paz fez um mar da revolução..."


"Queria ter aceitado as pessoas como elas são, cada um sabe a alegria e a dor que traz no coração"



"Se recebo dor, te devolvo amor, se recebo dor, te devolvo amor. e quanto mais dor recebo, mais percebo que sou indestrutível"


Com amor, Bárbara

Nenhum comentário:

Postar um comentário