Suas mentiras e as nossas incertezas - Do papel para o mundo

22 de outubro de 2018

Suas mentiras e as nossas incertezas

Você mente bem. Mente muito bem. Mas mente tão bem que parece que é verdade. Certa noite ouvi da sua boca a frase que dizia -  não é amor. Eu que tenho o sangue pulsante nas veias me senti com tal apontamento alvo de uma caça. Você foi a caçadora, mas nas suas palavras eu que te faço sangrar.
Ah, amor, pra mim é amor. Desculpa, mas é. Mesmo na noite em que nossos corpos se tocaram com direito à trilha sonora, e que segundo você, eu senti como se fosse apenas sexo, pra mim foi amor. E sabe por que foi? Porque pra mim não importa a forma como você se insere na minha poesia, se é pelo tato ou pelo afeto. No fim, me entregar a você é o que eu preciso.
Mas você tem razão sobre a incerteza que paira no amanhã. Eu não sou capaz de traçar nossos destinos, nem de dizer se seremos amantes quando o sol se pôr. Às vezes uma frase mal interpretada, um beijo amargo ou o excesso de apatia faz com que o café esfrie e transborde até o ralo mais próximo. Quem seremos nós ao amanhecer?
Eu sei o que eu quero, entretanto, nem sempre basta. Na receita do amor é fundamental o ingrediente soma. Então te pergunto, te provoco - você nos vê para além de um passatempo? Vê nossos corpos como complementos e não como traços da noite? Ansiosamente, lá dentro de mim, aguardo uma resposta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário