Desnude - Do papel para o mundo

26 de dezembro de 2018

Desnude

Poema Desnude
Despertei meus olhos para a vida
ao enxergar a poesia perdida
Olhei ao meu redor e vi que tinha gente
Gente boa, gente ruim, gente estranha
Todas completas e imperfeitas

Tem umas que gostam de sol, mar e praia
Outras se excitam com o arrepio do inverno
Algumas mais coloridas, outras mais cinzas
Também há os tons pasteis

De uma forma estranha me senti a voar pelo céu
Como se antes só houvesse chão
Como se a vida fosse uma onda quebrada
De repente eu vi essa onda abrigar corações

Vi muitas coisas que nem posso dizer de tão sinceras
Egoísmo seria explicar a beleza dos detalhes
Não, procure
Observe os passarinhos
Se desnude de poesia

Bárbara Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário