Fugas - Do papel para o mundo

10 de abril de 2019

Fugas

Poesia
Eu quero fugir, mas não sei a saída
Não sei em qual prego me prendi
Não sei em qual porta entrei
e nunca mais saí

Finquei raízes para além do verão
Fiz de um abrigo meu lar
E me perdi nesse lar tantas vezes
Sabor de casa também amarga

Então fui pedra e tropeço
Fui saudade e recomeço
Fui além do que podia
Mas iria muito mais

Invadi porções de silêncio que eu mesma cultivava
E claro, me sufoquei em minha nuvem de poeira
Fugi de mim mesma até me perder
E hoje só quero a fuga do que me prende

Bárbara Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário