Ecos - Do papel para o mundo

14 de junho de 2019

Ecos

Assombrada no meu quarto
Ouço ecos de mim mesma
Vejo gritos se estraçalharem dentro de mim
E num vazio poético eles até dançam 

Pausa para respirar entre um infarto e outro
Sinto a dor despontar em meu peito
Sinto a chuva virar o desenho mais perfeito
O sofrer é escultural

Me permito então ser um pouco de tudo
Deixo as lágrimas salgarem meu corpo
Me encontro perdida no mar que desbravo
E quando uma grande onda vem eu me entrego

O excesso de vazio cansa e se finca em partes ocultas
Não enxergo as feridas tatuadas na epiderme
Mas sei que elas existem
Sei que elas resistem

Bárbara Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário