Mania de crescer - Do papel para o mundo

9 de julho de 2019

Mania de crescer

Poesia
A gente cresce e deixa de ser a pequena
Deixa de ser a adorada, a preferida
Deixa de ir à escola e passa a ir à guerra
Duela com os nossos próprios demônios

Crianças têm brinquedos
que podem ser bolas, bonecas, apitos
Adultos têm inimigos
Que podem ser contas, desafetos, fogões entupidos

A gente planta, crianças florescem
Em nosso peito brota cansaço
No delas sempre há tempo
Adquirimos rugas 
E elas ganham ou perdem dentes

Mas nem as perdas são pontes quebradas
Criança que é criança adora ir atrás do que não se sabe
Um planeta a avistar? É isso
Sorvete de estrelas com calda de morango? Por que não?

E a gente, nós, adultos, perdemos tanto
Isso porque além da idade e dentes de leite
Deixamos pra trás a infância
Matamos a criança que um dia fomos

Bárbara Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário