Nancy de Stranger Things e a velha misoginia - Do papel para o mundo

22 de julho de 2019

Nancy de Stranger Things e a velha misoginia

Nancy de Stranger Things
A terceira temporada de "Stranger Things" foi comemorada com vigor na internet e trouxe novamente aquela nostalgia dos anos 80/90. Para além disso, a série se propôs a pautar um tema essencial: a misoginia, tão presente em nossa sociedade. Na trama, Nancy Wheeler, interpretada pela atriz Natalia Dyer, sofre com as "piadinhas" dos jornalistas mais velhos ao começar a estagiar no The Hawkins Post. O que poderia ser um trabalho divertido e de muito aprendizado, afinal, ela quer ser jornalista, acaba se tornando um ambiente de humilhação e constrangimento. 

Para começar, a personagem, apesar de exercer a função de repórter, se vê em boa parte do tempo ocupando um outro cargo: servir café na redação. Segundo uma estrutura machista, essa seria a tarefa mais apropriada para mulheres: servir. Por isso, quando Nancy tenta mostrar sua capacidade lógica para resolver questões investigativas, logo é silenciada pelos homens do jornal, que riem de suas teorias e questionam até as suas habilidades para servir café. O recado é muito claro: "faça apenas as suas obrigações e deixe que nós pensemos". 
Nancy de Stranger Things
Não é difícil enquanto mulher nos colocarmos no lugar de Nancy, afinal, nosso intelecto está sempre em cheque. Somos constantemente interrogadas sobre o nosso poder de ser mais do que um corpo. Precisamos provar que somos mais do que simples objetos sexuais, o que pode ser complicado quando não nos deixam nem falar. Em um mundo liderado por homens, nossas palavras soam como gelo, que logo derretem. Não importa se sabemos usar fórmulas matemáticas ou se corremos bem, no fim o que importa é se sabemos cozinhar e se seremos boas mães. Mesmo que a gente nem tenha o interesse de ser mãe. Mas bem, eles, os homens, não se interessam pelo que queremos, então isso também não importa. É a voz deles que prevalece.

Em uma cena muito boa de "Stranger Things", a estagiária recebe conselhos da sua mãe na cozinha de casa: "Não é fácil lá fora, Nancy. Sempre dizem que você não consegue, que não deveria. Que você não é boa o suficiente. Esse mundo vai bater em você, até que finalmente a maioria das pessoas desiste de tentar. Mas você não é assim. Você é uma lutadora. Sempre foi. Tenho orgulho de você", diz. Infelizmente, muitas vezes cansamos. Cansamos de provar que somos boas o suficiente ou que podemos fazer algo. A coragem é uma poderosa arma que mulheres têm para enfrentar o mundo, mas ser forte o tempo todo desgasta
Nancy de Stranger Things
Ser mulher exige de nós uma luta diária. A sociedade patriarcal insiste em nos pôr pra baixo, mas vamos lá e nos levantamos. Tentam podar nossas escolhas pelo simples fato de sermos mulheres, mas vamos lá e ocupamos cargos de doutora, engenheira, jornalista. Mais uma vez, provamos, que não é o que portamos debaixo de nossas vestimentas que define quem somos e o que podemos ser. Nancy, eu ou você, somos o que acreditamos sobre nós mesmas, e não as palavras repletas de espinhos que nos apontam. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário