Vestida de mim - Do papel para o mundo

3 de julho de 2019

Vestida de mim


Poesia

Entre o sono, o cansaço e a ansiedade
escolho a poesia
Prefiro transpirar palavras
do que morrer vazia

Se fecho os olhos e me afogo
talvez não deva dormir
Melhor a dança de palavras que rasgam a garganta
do que uma noite fingida
Repousada no sossego

Os versos me interrogam
Me tiram a lucidez
Mas me trazem a paz
que eu procuro na guerra

Me disponho então a guerrear comigo mesma
Com olheiras ou rímel nos olhos
Vestida de mim, e nada mais

Bárbara Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário