Poesia é resistência, não se engane - Do papel para o mundo

21 de setembro de 2019

Poesia é resistência, não se engane

Poesia é resistência, não se engane
Olá, tudo bem? Hoje eu quero falar sobre algo que mora dentro de mim e faz meus olhos brilharem: POESIA. Sim, em letras maiúsculas, porque poesia é grande, não pequena, por mais que as miudezas, tão valorizadas nas obras de Manoel de Barros, sejam mais que necessárias. A questão aqui é: poesia não se trata apenas de amor ou saudade, temas universais nas artes, como um todo, é também resistência! Sim, dá pra lutar com palavras.

O problema é que quando as pessoas pensam nesse gênero literário, o que não faltam são estereótipos que aprisionam algo que deve ser livre. Dizem que poesia é elitista, de difícil entendimento e por isso nada democrática, mas eu confronto tudo isso ao dizer que ela pode sim ser do povo e para o povo, fácil de entender e totalmente democrática, além de ser não só para adultos, mas também voltada às crianças. 
Sociedade dos poetas mortos
Filme "Sociedade dos poetas mortos"
O primeiro passo para ligarmos essa chave que nos ajuda a desconstruir a ideia de que poesia não é para todos, é perceber que não existem somente os autores clássicos, que muitas das vezes, sim, fazem uso de uma linguagem rebuscada. A poesia não parou no tempo, e muito menos está morta, ela é presente até hoje, inclusive, nas redes sociais, onde diversos escritores criam seus próprios caminhos. Já não é mais preciso de uma grande editora para que seja possível a publicação de um livro, ou mesmo, para que um autor se torne conhecido. 

Em nossos tempos modernos, abraçamos nomes como Rupi Kaur, Ryane Leão e Paulo Leminski, por exemplo, poetas muito prestigiados no Instagram. Mas como assim, o Instagram não é para fotos? Pois é, o foco da rede é sim a imagem, porém, o que tem ocorrido na poesia é um movimento que une justamente a estética com a escrita. Desse modo, a leitura se torna mais lúdica e agradável. A linguagem também passa a ser mais acessível, alcançando os leitores não apenas para levar a eles uma mensagem, mas para fazer até com que os próprios leitores se reconheçam nos versos.
Poesia é resistência, não se engane

Nesse sentido, visualizamos mais obras que abordam temas como relacionamentos abusivos e autoestima, além da mulher se inserir ativamente na produção literária, já que antes ela era retratada majoritariamente pela ótica masculina, e por isso o amor era sempre destacado. Afinal, mulheres são passionais, né? E frágeis, né? Não mesmo! E hoje podemos demonstrar isso com nossas próprias palavras, seja para falar de sexo ou dizer que não vamos mais tolerar o patriarcado. Sim, imagine um verso de poema escrito exatamente assim. Bem simples, sem dar voltas em nosso cérebro. É exatamente o que temos encontrado na poesia atual, que traz ainda as vozes de slammers, pessoas que versificam a palavra com suas vozes, e tocam em diversas questões, sobretudo, minoritárias. Racismo, desigualdade de gênero e LGBTfobia, não se ausentam. 
Contudo, não posso deixar de afirmar que, no coração que abarca a poesia, tem espaço sim para as crianças. Há autores, como Cecília Meireles, que carregam em suas publicações, a sensibilidade para lidar com os pequenos. Tem até vídeos no Youtube de crianças recitando poesia! Percebe a potência? E que coisa mais encantadora, né! Então termino esse texto com a frase que já tatuei: Carpe diem! Isto é, aproveite o momento! Se for com poesia, melhor ainda! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário