A avenida que a gente desfila - Do papel para o mundo

9 de outubro de 2019

A avenida que a gente desfila

A avenida que a gente desfila
Da porta da minha casa
ouço a rua que me atravessa
Ruidosa e a voz do silêncio
Mil cores e opaca

De fato, guarda segredos
que as 24 horas não revelam
A rua tem mais passos que a nossa mente
mesmo quando vazia, traz histórias de gente

Pode ser triste ou alegre
Uma valsa ou uma dança solitária
Em seu mundo de concreto ou grama verde
A rua abraça e isola

Quem nunca se perdeu no cruzar de uma esquina
não entende seus obstáculos
Tropeços, vozes, apertos de todos os tipos
desenham as curvas da rua

Uma ida ao mercado ou à farmácia
Ao trabalho ou ao shopping
Somos corpos em movimento
E a rua é a avenida que a gente desfila

Bárbara Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário