Seu som virou dor - Do papel para o mundo

19 de março de 2020

Seu som virou dor

Poeta Bárbara Amorim
Doses de mim perdida em você
Eu arranhada, eu embaraçada
Suas palavras frearam o meu ar
De repente, seu som virou dor

Espero que o nó na garganta passe
Que o seu tiro certeiro não me acerte
Não mais
Já não tenho peito para tantas balas

Saudades sinto do sol
do queimar na pele que não machuca
que ilumina, que colore, que abraça

Não posso ser sua flor
Mas também não quero ser sua guerra
Não sou boa com trincheiras, tropeço em mim mesma
e a única luta que aceito é a do amor

Bárbara Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário