Insegurança intelectual e o mito da mulher-maravilha - Do papel para o mundo

4 de maio de 2020

Insegurança intelectual e o mito da mulher-maravilha

Insegurança intelectual e o mito da mulher-maravilha
Você pode ser boa em literatura, em entender sobre os direitos das mulheres, pode ser boa em dar conselhos para os seus amigos e boa com artes manuais, mas se você não é boa em algo específico, então você não se sente boa. Sim, nós precisamos falar sobre insegurança intelectual, sobretudo para nós, mulheres, que nunca nos sentimos completamente boas, afinal, é difícil (impossível) se encaixar no perfil de moça perfeita. É doloroso se matar de estudar para aprender determinadas coisas e, de fato ver resultados, mas perceber que tem algo ali, que te lembra: você não é boa em tudo. 

E aí, se identificou? Provavelmente, sim. Há inúmeras receitas de como devemos ser, mas sabe o que não nos dizem? Que precisamos desconstruir o mito da mulher-maravilha. Simplesmente não dá mais pra acharmos que ser linda, doce, sexy, boa na cozinha, boa na cama, boa no trabalho e boa mãe é um sinônimo para mulher. Não é! Somos fortes, olha, somos muito fortes, mas também somos frágeis. E não sabemos e nem precisamos saber de tudo! Tudo bem ter medo às vezes. No momento em que eu escrevo, eu tenho medo. Eu sou vulnerável, sabe por quê? Porque eu sou humana. Eu rio muito, mas no fim do dia, às vezes, eu choro e, nem sempre eu sei o porquê. Só me sinto incapaz


O mito da mulher-maravilha

Nossa sociedade nos fez internalizar a ideia de que temos superpoderes, que precisamos aguentar o mundo, de preferência com rímel nos olhos. Mas isso está nos deixando doentes! Não é à toa que mulheres enfrentam mais quadros de ansiedade do que homens. Então não importa o quão boa sejamos em História, conselhos amorosos ou em contar piadas, SEMPRE vai haver algo que nos desqualifique. 

O que precisamos urgentemente entender é que não somos universais. Não existe um modelo único de mulher. Nós somos múltiplas! O que é específico e difícil em termos de aprendizagem pra você pode ser a coisa mais simples pra outra pessoa e, o mesmo serve para o contrário. Talvez você fale com a maior naturalidade sobre marketing digital, mas para alguém do seu lado isso seja quase como um outro idioma. E tudo bem vocês falarem línguas diferentes, afinal, pessoas são plurais e divergentes
Insegurança intelectual
Hoje quero te propor e me propor um desafio: se olhar no espelho e se julgar menos. Ignorar ou mesmo encontrar beleza naquela estria que na maior parte das vezes te incomoda. Repetir para si mesma que VOCÊ NÃO É BURRA! Você sabe tanto, de tantos assuntos. Pra que se comparar? É exatamente isso que o sistema que nos oprime quer: a nossa fragilidade. Mas não aquela natural, inerente ao ser humano, ele quer a fragilidade imposta, aquela que nos é empurrada goela abaixo, até o momento em que nos sentimos inferior. Hoje eu te digo que você é incrível! Mesmo que não saiba tudo. Cada um tem o seu processo e sua própria maneira de existir no mundo

Agora eu quero saber: qual a sua maneira de existir no mundo? Você é do tipo que se julga por tudo ou aprendeu a se amar?

Nenhum comentário:

Postar um comentário