A dor que me melodia - Do papel para o mundo

11 de junho de 2020

A dor que me melodia

Poema A dor que me melodia
Cansada demais pra ter forças pra dormir
Estacionada em alguma rota de mim mesma
Perambulando, sonolenta, tentando me descobrir
Onde não sei é onde me encontro

Às vezes acho que sou forte,
que posso aguentar o mundo
Não posso, pois ele pesa demais
Porém, forte sou por resistir aos meus demônios

Aguento firme os machucados 
que quando já grandes, não suportam curativos
Entre tantas invenções do mundo moderno
faltou a anestesia para a vida adulta

Já é tarde
Preciso escapar de mim mais essa noite
Os gatilhos que me envenenam são músicas que me partem
Ouço goles de lágrimas
Engulo a dor que me melodia

Bárbara Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário