O cansaço que me descortina - Do papel para o mundo

9 de dezembro de 2020

O cansaço que me descortina

Poema O cansaço que me descortina


O cansaço que me descortina não vem do recomeço

Não vem ao avistar um novo par de olhos

e observar minhas pernas bambas

O cansaço surge da angústia de ter que me fazer cortina

quando tudo o que eu queria era ser passarinho


Sinto que não posso mais ser outra coisa além de mim mesma

Não posso mais me engavetar para caber

na fresta de possibilidade de um novo amor

que talvez nem seja um novo amor

talvez apenas seja ecos do sentir


Mas então o que faço se quando me busco esbarro no amor?

O que faço se até em meio à guerra levanto a bandeira dos apaixonados?

O que faço se cometo o crime de ser por inteira e repudiar metades?

O que faço se minha entrega soa ofensiva aos que temem amar?


Sinto muito em não sentir que estou errada

De agora em diante só existo para abraçar a imensidão

E se ela me vem com um beijo eu quero o oceano

Se me traz paz eu a refaço em estrelas

Mas quem quer dividir o céu?


Bárbara Amorim

Nenhum comentário:

Postar um comentário